TERMOGRAFIA DE PAINÉIS E QUADROS ELÉTRICOS | LAUDO E ANÁLISE TERMOGRÁFICA

ADEQUAÇÕES DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS CONFORME NORMAS NBR 5410, NBR 14039, NBR 5419 E NR-10.

Análise Termográfica

A termografia é um dos elementos mais importantes no levantamento e coleta de dados como ferramenta para a avaliação

das instalações elétricas e manutenção preventiva de instalações existentes.

A interpretação de uma imagem termográfica é um aspeto fundamental nos ensaios termográficos. O objetivo do ensaio e

a natureza do objeto em estudo determinam se a análise deve ser qualitativa ou quantitativa.

Aplicação em Instalações Elétricas

A importância da segurança nas instalações elétricas é vital, quer a nível doméstico quer a nível industrial. A temperatura é a

principal variável detetável no processo de falha de uma instalação elétrica, sendo a termografia um recurso valioso para uma

manutenção eficaz. O aumento de temperatura em material elétrico aumenta o risco de incêndio numa instalação elétrica, pode causar avarias irreparáveis em equipamentos fundamentais e pode provocar acidentes em pessoas e bens.

Quando a corrente elétrica passa num condutor, é gerado calor. Todos os componentes elétricos começam a deteriorar-se após a instalação, devido à carga elétrica, vibrações, corrosão e envelhecimento. As anomalias aparecem com o aumento da temperatura durante um largo período de tempo, antes da ocorrência de uma falha. A lei de joule mostra que a energia elétrica se transforma em energia calorífica num recetor ou condutor, sendo diretamente proporcional à resistência deste, ao quadrado da intensidade de corrente e ao tempo de passagem de corrente. O aquecimento anormal associado à resistência elevada ou à excessiva passagem de corrente é a causa principal de muitos problemas elétricos.

Uma inspeção termográfica em instalações elétricas identifica problemas causados devido à elevada resistência causada por superfícies com contacto deficiente, a um circuito sobrecarregado, a um problema de desequilíbrio de cargas e harmónicos. O contacto deficiente deve-se a ligações soltas, corroídas ou oxidadas e por falhas de componentes. As sobrecargas podem-se dever a erros de projeto, falhas de montagem e falta de manutenções preventivas. Um desequilíbrio de cargas mostra uma errada distribuição de carga num sistema trifásico, sendo que uma das fases transporta mais corrente que as outras. Se existir neutro, este aparecerá sobrecarregado. A utilização intensiva de cargas não lineares no setor de serviços e em muitas indústrias e uma intensa transformação tecnológica está na base dos problemas dos harmónicos. Os harmónicos geram sobreaquecimento nos condutores, podendo afetar as três fases (efeito pelicular) ou só o neutro (harmónico homopolar). Um caso particular é a deteção de circuitos abertos, onde a imagem termográfica mostra os componentes frios.

Os equipamentos normalmente inspecionados são motores, geradores, transformadores, disjuntores, interruptores, fusíveis, cabos elétricos, quadros elétricos e todos os dispositivos de passagem de corrente em carga. A inspeção termográfica tem de ser feita com a instalação elétrica em carga, sendo necessária uma visão desimpedida do ponto de medição. As portas dos armários e painéis têm de ser abertos ou removidos, incluindo os acrílicos.

 

Principais causas geralmente identificadas

-Ligações soltas ou deterioradas

-Circuitos em Sobrecarga

-Circuitos com desequilibrio de cargas

-Harmonico

-Equipamentos defeituosos

-Transformadores

-Quadros Elétricos

 

Análise Qualitativa

A análise qualitativa deve ser utilizada sempre que se pretende uma abordagem superficial do problema, efetuando-se termogramas onde, apenas pela observação e sem grandes detalhes de medição, se pode avaliar termicamente o objeto em estudo.

Os termogramas, ou imagens termográficas, podem ser obtidos com emissividade constante, uma vez que se pretende visualizar as diferenças de temperatura superficiais. A interpretação pode ser feita no local do ensaio termográfico.

 

Análise Quantitativa

Na análise quantitativa, são calculadas as temperaturas superficiais através de uma imagem termográfica e parâmetros analíticos.

O ensaio termográfico requer mais detalhe e condições de ensaio mais rígidas, demorando mais tempo, mas é mais eficaz que a análise qualitativa, uma vez que permite medir temperaturas. Os resultados da análise quantitativa são gravados e anotam-se todos os parâmetros que se considerem essenciais para análise posterior. Toda a informação recolhida durante o ensaio é processada no software de análise, por exemplo o QuickReport da FLIR, e posteriormente interpretada, realizando-se um relatório completo. 

 

Apesar da simplificação inicial, os ensaios devem ser realizados por uma pessoa qualificada e capaz de interpretar os resultados, para saber qual o tipo de imagem esperada quando não existe nenhuma anomalia. Para evitar erros de interpretação, aconselha-se que, 

sempre que possível, sejam efetuados termogramas para referência de zonas não afetadas do objeto em estudo. Desde que as condições do ensaio e envolvente sejam idênticas, a avaliação do termograma do objeto defeituoso pode ser feita por comparação com o termograma de referência.

 

Termografia de painéis e quadros elétricos, laudo e análise termográfica | KV Ensaios - Manutenção, Testes e Ensaios elétricos nr10
Termografia de painéis e quadros elétricos, laudo e análise termográfica